É fácil se acostumar com as coisas boas…

Já que esta semana completamos 5 meses de Canadá, acredito que vale a pena fazer uma pausa para refletir o quanto é fácil se acostumar com as coisas boas. Desta vez, no entanto, quem vai protagonizar este post não sou e, nem a Mariane, e sim a Alice, nossa Shih Tzu de três anos.

Desde que entrou para a nossa família, quando tinha apenas 2 meses, Alice sempre foi criada dentro de apartamento. Ainda bebezinha aprendeu a usar o tapete higiênico para fazer suas necessidades e, com exceção das primeiras semanas, sempre fez tudo no lugar correto.

Alice com apenas 2 meses de vida
Alice com apenas 2 meses de vida

Não sei se já mencionei isso em outros post, mas nossa rotina em São Paulo era ligeiramente complicada. A Mariane acordava as 5 da manhã para não perder o ônibus fretado que passava pouco antes das 6. Enquanto ela pegava o ônibus eu já estava me preparando para sair em algumas horas e só voltar no final do dia, quando sol já tinha se posto.

Morávamos em uma avenida bem agitada, mas longe de ser considerada segura, portanto, nos horários em que estávamos em casa, não tínhamos coragem de levar a Alice para passear.

Cansados, aos finais de semana, raramente tínhamos disposição para levá-la a algum parque, ainda que por apenas alguns minutos.

Desde que chegamos no Canadá, no entanto, muita coisa mudou. Nos primeiros dias, enquanto ainda estávamos no hotel em Toronto, começamos a levar Alice para passear, já que ainda não havíamos comprado o tapete higiênico, e tínhamos receio de que ela sujasse o quarto do hotel.

O primeiro passeio em Toronto
O primeiro passeio em Toronto

image2

Quando fomos para a casa da família, já em Hamilton, como contei aqui no blog, providenciamos o tapete higiênico para evitar que sujássemos a casa alheia. Na primeira noite, nada. No dia seguinte, nada. A temperatura fora de casa não era das piores naqueles dias, mas também não dava vontade de sair na rua para longas caminhadas até que a bebezinha pudesse se aliviar. Mesmo assim, não tínhamos escolha, certo?

Religiosamente, de manhã e a noite começamos a levar nossa cachorrinha para passear, mesmo naqueles dias em que a temperatura passava dos -30C. Ela estava ligando para o frio? De jeito nenhum. Desfilava pela ruas de Hamilton com o seu casaquinho e suas botinhas como se nada estivesse acontecendo. Claro que já chamava atenção pelo seu charme e brasilidade, despertando paixões por onde passava. Enquanto isso, o tapete higiênico continuava em casa, intacto.

Quando a neve chegou para valer, notamos que a Alice já estava se tornando uma canadense. Adorava pular nos montinhos de neve, mesmo que ficasse toda molhada depois. Vez ou outra perdia suas botinhas e ai começava a sentir cãibras, por causa do frio, mas um minuto depois já estava novamente mergulhando no gelo.

Brincando na neve
Brincando na neve
De casaco e botas de inverno
De casaco e botas de inverno

Com a chegada da primavera, a neve  derreteu e cedeu lugar à chuva, que também não foi suficiente para atrapalhar os nossos passeios diários. Começamos a fazer caminhadas cada vez mais longas e conhecer novos lugares dentro da nossa própria vizinhança.

Quando ainda estávamos no Brasil sempre nos perguntávamos como seria a adaptação da Alice, principalmente durante os meses de inverno. Diferentemente de nós, ela não teve que se adaptar à língua, à escola, ao trabalho, nada disso. Para ela, bastava ser a Alice de sempre, com a diferença de que agora ela passeia duas vezes por dia, frequenta parques em que pode ficar sem a coleira, ganha petiscos quando vai junto com a gente comprar a sua comida. Assim é fácil, certo?

Mas é claro que nem tudo é 100%. A mesma cachorrinha que tomava banho no pet shop todo final de semana, agora precisou  aprender a ser paciente com os pais inexperientes e ficar quietinha enquanto  espera na banheira ou quando passa horas aguentando o secador de cabelos barulhento ligado.

Mesmo assim, tenho certeza absoluta de que este motivo não é suficiente para fazê-la querer voltar para o Brasil. E olha que ela é apenas uma cachorrinha.

Espero que tenham gostado de conhecer a nossa protagonista de hoje. Qualquer semelhança com a realidade, foi apenas mera coincidência. E viva os nossos 5 meses de Canadá!!

Canadense desde criancinha
Canadense desde criancinha

7 comentários

  1. Fiquei extremamente feliz com o que li!
    Iremos completar 6 meses de Toronto esta semana e trouxemos nossa Labradora Sophia conosco de 4 anos. Ela vivia exatamente como a Alice em São Paulo e na mudança estávamos apreensivos com sua adaptação, porém por mais surpreendente que fosse, ela se adaptou melhor que nós, não teve problema com as baixas temperaturas, amou a neve e hoje tem uma qualidade de vida maravilhosa, parece que tudo mudou, desde a sua pelagem e até sua alegria se tornou contagiante! Arrisco á dizer que estamos conhecendo uma nova Sophia e com certeza ela tem planos de voltar pro Brasil (rs)!
    Beijos em vocês e na fofa da Alice!
    Adoramos o Blog e desejamos muito sucesso à vocês!

    Curtir

    • Olá Mariane, agradecemos pela visita ao nosso blog. Tenho certeza absoluta de que a Sophia deve amar viver por aqui. Ainda mais por ser de uma raça que adora brincar e curtir grandes espaços. Toronto tem isso de sobra!!! Abraço para vocês e voltem mais vezes por aqui!!!

      Curtir

Deixe uma resposta para Mariane Oliveira Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s